Como Comunicar Más Notícias de forma acolhedora?

Todas as pessoas em algum momento receberam ou deram uma má notícia e apesar de ser temida por muitos, ela está presente em vários momentos da nossa vida se tornando um desafio e tanto principalmente para os profissionais de saúde. A comunicação de más notícias é definida como qualquer comunicado sobre um evento ou mudança que provoque alterações negativas na perspectiva de alguém acerca de seu futuro (1,2). Ocorrem, por exemplo, nos casos de diagnósticos de doenças terminais, situações que gerem mudanças importantes no cotidiano de alguém (3), como a perda de um ente querido ou então a descoberta de uma enfermidade severa (4).

No dia a dia do trabalho em saúde é comum que os profissionais se deparem com eventos adversos e situações delicadas que culminem em más notícias, mas isso não faz com que os profissionais da saúde estejam prontos para lidarem com isso. O profissional precisa manejar tanto as demandas da pessoa que recebe a má notícia, quanto as suas próprias emoções e sentimentos (5).

O momento da comunicação envolve fatores dificultadores como a sensação de aumento da carga de trabalho e sentimentos de falta de suporte para com a equipe de saúde, como fator facilitador importante nesse momento destaca-se o preparo prévio da equipe de saúde, esse ato diminui o esgotamento e auxilia na relação profissional- paciente, por outro lado, a falta de qualificação faz com que os trabalhadores não se sintam devidamente confiantes e preparados para esse momento, para tanto há o desejo de evitar essa situação buscando o auxílio de um colega mais experiente (6,7).

É fato que a má comunicação envolve consequências emocionais para pacientes, familiares e profissionais (8,9). O preparo dos trabalhadores da saúde na comunicação de más notícias é essencial, inserindo-se nesse quesito a necessidade crescente de treinamentos regulares e pertinentes. A comunicação adequada de más notícias tem a capacidade de reduzir riscos graves para ambas as partes envolvidas (10).

Como comunicar Más Notícias? (5,11)

Para essas ocasiões, os profissionais da saúde podem usar o protocolo SPIKES enquanto ferramenta, o protocolo SPIKES é constituído de 6 passos simples, mas que fazem toda a diferença. Cada letra do protocolo significa um passo a ser seguido pelo profissional da saúde:


  • S– Setting Up (Preparação): Prepare-se e planeje seu encontro, encontre um local reservado e adequado para esse momento por exemplo;

  • P– Perception (Percepção): Verifique o que a pessoa já sabe sobre o assunto;

  • I– Invitation (Convite): Deixe a pessoa saber que você está aberto para a conversa, que pode ser agora ou no momento que ela estiver preparada para tal;

  • K– Knowledge (Conhecimento): Esteja seguro de que as informações transmitidas estão suficientemente claras para o ouvinte, se possível evite termos técnicos;

  • E– Emotions (Emoções): Pratique a empatia, é normal que emoções surjam nesse momento, portanto seja acolhedor e auxilie a pessoa a reconhecer suas próprias emoções;

  • S– Strategy/Summary (Estratégia/Resumo): Faça um resumo do que foi discutido, nessa etapa auxilie a pessoa a programar os próximos movimentos a serem realizados.

  • Comunicação de Más Notícias e a Pandemia de COVID-19(12,13):

    O momento de pandemia de COVID-19 trouxe momentos desafiadores para muitas pessoas e também algumas situações nas quais os contatos presenciais são limitados. É desejável que a comunicação de más notícias seja feita presencialmente, mas quando isso não for possível, há adequações importantes para a comunicação, por meio de ligações telefônicas ou virtuais:


    • Seja claro na sua apresentação, diga seu nome ao receptor;

    • Certifique-se de que está se comunicando realmente com a pessoa que precisa receber a informação;

    • Certifique-se de que a pessoa está em local seguro e não esteja desempenhando alguma tarefa de risco ou que exija atenção (como dirigir, por exemplo);

    • Garanta que a outra pessoa possa falar tranquilamente, além disso tenha a certeza de que ela está em um local e momento adequado para isso, se necessário combine um outro momento para realizar a ligação;

    • Se possível, articule uma rede de apoio com a pessoa. Se ela estiver acompanhada, pode ser útil saber se ela deseja que você converse com mais alguém;

    • Esclareça a razão da ligação;

    • Evite mensagens eletrônicas ou redes sociais;

    • Apresente-se calmo durante todo o contato e bem como presencialmente, não se esqueça de ser empático sempre!

    • Fonte: M.L.C.
      Sugestões de materiais: materiais ou links que possam agregar o conhecimento do tema abordado na postagem:

      Capítulo 02 “Comunicação de Más Notícias” da cartilha: “Promoção da Saúde Mental em Pandemias e Desastres” Disponível em: https://inspiracao-leps.com.br/cartilhas-e-e-books/promocao-da-saude-mental-em-pandemias-e-situacoes-de-desastres/

      Vídeo sobre “Comunicação de Más Notícias” disponível em: https://inspiracao-leps.com.br/videos/comunicacao-de-mas-noticias/

      Referências

      1.Sarwar MZ, Rehman F, Fatima SM, Suhail M, Nagi SA., Breaking bad news skill of postgraduate residents of tertiary care hospital of Lahore, Pakistan: A cross-sectional survey. J Pak Med Assoc.2019;69(5).

      2.Nielsen PE, Munroe M, Foglia L.Collaborative practice model: improving the delivery of bad news. Clin J Oncol Nurs.2012;22(1).

      3.Karam V, Barakat H, Aouad M, Harris I, Park Y, Youssef N, Boulet J, Tekian, A Effect of a simulation-based workshop on breaking bad news for anesthesiology residents: an intervention study. BMC Anesthesiology.2017; 17(1).

      4. Pereira M. Má noticia em saúde: um olhar sobre as representações dos profissionais de saúde e cidadãos. Texto & Contexto – Enfermagem. 2005;14(1):33-37.

      5. Camargo N, Lima M, Brietzke E, Mucci S, Góis A. Teaching how to deliver bad news: a systematic review. Revista Bioética. 2019;27(2):326-340.

      6. Warnock C, Buchanan J, Tod AM. The difficulties experienced by nurses and healthcare staff involved in the process of breaking bad news. Journal of Advanced Nursing. 2017 ;73(7):1632-1645.

      7. Shanks A, Brann M, Bute J, Borse V, Tonismae, T, Scott N. Breaking Bad News: A Randomized Trial Assessing Resident Performance After Novel Video Instruction. Cureus .2021;13(6).

      8. Atasoy BM, Sarikaya O, Kuscu MK, Yondem M, Buyukkara E, Eken EG, Kahyaoglu F.Students meeting with caregivers of cancer patient: results of an experience-based learning project. J Cancer Educ. 2012;27(4):656-63.

      9. Shaw J, Brown R, Dunn S. The impact of delivery style on doctors’ experience of stress during simulated bad news consultations. Patient Educ Couns. 2015; 98(10):1255-9.

      10. Calsavara VJ, Scorsolini-comin F, Corsi CAC. A comunicação de más notícias em saúde: aproximações com a abordagem centrada na pessoa. Rev. abordagem gestalt.2019;25(1):92-102.

      11.Cruz CO, Riera R.Comunicando más notícias: o protocolo SPIKES. Diagn. Tratamento.2016; 21(3):106-108.

      12. Taylor E. How best to communicate bad news over the telephone. End of Life Care. 2007;1(1):30-7.

      13. Belli L. F. Recomendaciones para la comunicación de malas noticias por teléfono durante la pandemia por SARS-CoV-2. Rev Panam Salud Públ. 2020;44:e69.

Olá, você pode denunciar conteúdos impróprios e nos ajudar a manter a segurança da plataforma.

Sobre este conteúdo:

Skip to content